Como você está usando os seus dons e talentos?

Você tem sido um bom administrador dos diferentes dons e talentos que recebeu de Deus?

Sejam bons administradores dos diferentes dons que receberam de Deus. Que cada um use o seu próprio dom para o bem dos outros!” (1 Pe 4.10 – NTLH)

Muitas pessoas se sentem incomodadas com determinadas situações que ocorrem em suas casas, escolas, faculdades, trabalhos, igrejas, clubes, grupos, amigos…

São situações que, muitas vezes, perduram por anos e anos sem qualquer mudança, ou com mudanças muito pequenas.

Com toda a certeza, o início deste post poderia ser alterado de “muitas pessoas” para “eu e você” ou “nós”, porque podemos dizer que se sentir incomodado é algo mais do que comum nas pessoas de hoje em dia.

Mas qual a relação disso tudo com o uso dos dons e talentos?

A resposta é simples: talvez nós estejamos perdendo a chance de usar os nossos dons e talentos para melhorar essas situações.

Pode ser que Deus esteja permitindo essas situações para que nós possamos exercitar os dons e talentos que Ele nos deu.

Talvez a desorganização do grupo seja uma oportunidade para nós exercitarmos o nosso talento em organizar tudo da melhor forma possível. Os filhos que não ajudam em casa podem ser a chance de nós desenvolvermos o dom de liderar e fazê-los entender a importância de servir. O grupo que é parado e sem iniciativa talvez seja a deixa para mostrarmos toda a nossa habilidade em animar os outros.

Até mesmo o chefe que nos atormenta pode ser a oportunidade de demonstrarmos paciência e domínio próprio, abrindo portas para poder explicar aos outros colegas a razão da nossa esperança (1 Pe 3.15).

Enfim, a situação que tanto nos incomoda pode ser um exercício para crescermos e desenvolvermos os nossos dons e talentos.

Oportunidade

Em vez de ficarmos lamentando e murmurando contra o que nos incomoda, devemos dar graças pela oportunidade de crescermos e tentarmos agir da forma mais edificante possível.

Não podemos e não devemos obrigar as pessoas a agirem como queremos, mas podemos influenciá-las positivamente para que percebam o quão bom pode ser agir de forma diferente.

Ao forçarmos as pessoas a serem extrovertidas, por exemplo, só criamos mais antipatia nelas por pessoas assim. Ao passo que se demonstramos respeito e aceitação pela personalidade diferente da nossa, seja introvertida ou extrovertida, mostramos como é bom estarmos juntos e como as diferentes personalidades são mutuamente edificantes e nos tornam melhores do que somos quando ficamos sozinhos.

Por isso, não deixemos que as circunstâncias, aparentemente desfavoráveis, sejam empecilho para exercitarmos os dons e talentos que Deus nos deu.

Façamos tudo o que estiver ao nosso alcance para edificar aqueles que estão à nossa volta, usando todas as características com as quais Deus nos criou e fazendo diferença no lugar em que estivermos, tudo para que o nome do Senhor seja honrado e glorificado em todas as situações!

E, assim como na parábola dos dez talentos (Mt 25.14-30), certamente ouviremos com felicidade o nosso Senhor nos dizer: “Muito bem, servo bom e fiel!”.

5 Perguntas Sobre o Primeiro Capítulo da Carta aos Gálatas

Neste artigo buscaremos responder a cinco perguntas bíblicas sobre o primeiro capítulo da Carta aos Gálatas e, assim, poderemos conhecer um pouco mais sobre esse fantástico livro da Bíblia.

1. Quem escreveu a Carta aos Gálatas?

A primeira pergunta é sobre a autoria da Carta aos Gálatas e está claramente respondida no versículo 1 do primeiro capítulo de Gálatas, onde lemos que foi Paulo quem escreveu essa carta às igrejas da região da Galácia.
Apesar de a autoria da Carta aos Gálatas ser bastante conhecida, essa informação é muito relevante para quem está buscando conhecer mais sobre a Palavra de Deus.

2. O que Cristo fez em obediência à vontade de Deus?

A resposta a essa questão pode ser encontrada no versículo 4, onde Paulo, inspirado por Deus, escreveu que Jesus Cristo, em obediência à vontade do Pai, entregou-se para ser morto por causa dos nossos pecados para nos livrar deste mundo perverso.

3. Por que Paulo estava admirado com os gálatas?

Paulo diz, no versículo 6 do primeiro capítulo, que está muito admirado com os gálatas porque eles estavam abandonando o verdadeiro evangelho para seguir outro evangelho.
Em seguida, nos versículos 7 a 9, Paulo esclarece que não existe outro evangelho, mas estava falando assim porque existiam pessoas que estavam aborrecendo as igrejas da Galácia e querendo distorcer a mensagem de Cristo.
Paulo adverte que se alguém, quem quer que fosse, anunciasse um evangelho diferente, deveria ser amaldiçoado.

4. O que Paulo costumava fazer quando praticava a religião dos judeus?

Nos versículos 13 e 14 do capítulo 1 de Gálatas, Paulo explica que, quando seguia a religião dos judeus, perseguia a Igreja de Deus e procurava destruí-la de todas as maneiras.
O apóstolo conta também que quando praticava essa religião, ele estava mais adiantado do que a maioria dos outros judeus da sua idade e que seguia com mais afinco do que eles as tradições judaicas.

5. Como Paulo se tornou apóstolo?

Foi o próprio Senhor Jesus quem revelou pessoalmente o seu evangelho a Paulo (Gl 1:12).
O apóstolo escreve, nos versículos 15 e 16, que Deus, na sua graça, o escolheu e o chamou para servi-lo, revelando Jesus Cristo, para que Paulo anunciasse o evangelho aos não judeus.
Já no final do capítulo (Gl 1:23-24), Paulo conta que as igrejas da Judeia louvavam a Deus por causa dele, pois a notícia que se tinha era que “Aquele que já nos perseguiu anuncia, agora, a fé que, antes, destruía” (ARC).

Esperamos que essas cinco perguntas bíblicas e suas respectivas respostas tenham despertado o seu interesse em conhecer mais sobre a Carta de Paulo aos Gálatas e sobre todas as questões referentes a esse livro bíblico.

Caso deseje se aprofundar ainda mais no conhecimento da Palavra de Deus, conheça o Manual Bíblico Das Questões Difíceis E Polêmicas Da Bíblia – CLIQUE AQUI!

Esse artigo foi útil? Ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo! Compartilhe!